Apresentação

Bem-Vindo à Memorabilia do Ciclismo Português! Toda a história velocipédica lusa de antanho passa por aqui...

O presente blogue, pretende trazer ao conhecimento dos leitores, a epopeia do ciclismo lusitano desde os primórdios da competição velocipédica.
A colocação dos artigos, não segue uma ordem cronológica ou temática.
Não será publicado mais do que um artigo por dia.
A Redacção
NOTA: O blogue não adopta as normas do designado Acordo Ortográfico.

quinta-feira, 8 de março de 2018

Oceana Zarco

Oceana Zarco
Oceana Zarco é uma das pioneiras do ciclismo feminino em Portugal, numa altura em que a expressão desportiva estava praticamente interdita às mulheres (os médicos diziam que pedalar faria mal, podendo até causar esterilidade feminina), o que serviu de inspiração à luta pela igualdade de género. O ciclismo, nomeadamente o ciclismo de competição, era completamente hegemonizado por homens, como, aliás, a totalidade das actividades desportivas. Num mar de homens, vai correr veloz na sua bicicleta, e passar à frente de todos os concorrentes. 
Oceana nasceu na freguesia de Santa Maria da Graça, na cidade de Setúbal, em 12/04/1911.
Iniciou a sua carreira em 1925, com a licença nº 227, tendo sido a 1ª ciclista federada em Portugal. Correu até 1929, tendo sempre representado o Vitória de Setúbal, sendo um dos maiores vultos desportivos do clube. Conquistou vários prémios ao longo da carreira, sendo que a primeira prova em que participou foi no ano de 1925, na II Volta a Lisboa. 


No ano seguinte, com somente 15 anos, voltou a participar na mesma Volta, obtendo o primeiro lugar e a 20 de Setembro de 1926, participou na I Volta ao Porto, uma prova com homens, onde venceu e foi premiada com a medalha de ouro, apesar de desconhecer antecipadamente o percurso e a própria cidade. A sua última competição com a idade de 18 anos teve lugar na Volta a Setúbal em 1929, classificando-se no primeiro lugar, prova onde participaram apenas três concorrentes femininas.


Abandonou a competição prematuramente, aos 18 anos, na sequência de uma intervenção cirúrgica.
Em 1930 voltou para a casa materna, em Setúbal. decidida a abandonar o ciclismo e dedicar-se à profissão de enfermeira. que exerceu durante 30 anos. Só se casou depois dos 50 anos, porque o Estado Novo não permitia que as enfermeiras casassem.
Faleceu a 11 de de Janeiro de 2008 e no dia 11 de Setembro de 2009 foi homenageada, onde foi descerrada uma placa no Cemitério de Nossa Senhora da Piedade. “Homenagem de todos os setubalenses à Glória do Ciclismo Feminino Português, orgulho do Desporto Setubalense, Paz Eterna à Sua Alma” é o texto do epitáfio que consta no local onde Oceana Zarco está sepultada.


A bicicleta para mim era tudo”, era uma das frases emblemática de Oceana Zarco.

A Oceana treinou com homens, ouviu muitos piropos, ganhou quase todos os prémios e foi a primeira mulher que vestiu calções e camisola como os ciclistas

Fotos: Eco dos Sports & SD Setúbal Digital (c)


Sem comentários:

Enviar um comentário